Curtas “Super Oldboy” e “Horas” foram debatidos na manhã desta quarta-feira

 Curtas “Super Oldboy” e “Horas” foram debatidos na manhã desta quarta-feira

Tanto “Super Oldboy” quanto “Horas” participam pela primeira vez de um festival. Na manhã desta quarta-feira (31), os diretores dos dois curtas-metragens exibidos na noite de ontem no Palácio dos Festivais estiveram presentes na coletiva de imprensa, discutindo sobre seus filmes.

Boca Migotto, diretor de “Horas”, trouxe uma construção narrativa sólida, desde o corte, até a montagem e a fotografia. Diversos elementos trazem consigo uma simbologia à sua obra, que acabam complementando a solidão do personagem. “Foi um curta bastante calcado em cima do ator [Nelson Diniz]”, afirmou. E a escolha do ator não foi por acaso: Migotto sempre quis rodar filmes com Diniz. “Ele é muito bom, muito talentoso”. E ainda brincou: “Eu tinha um medo danado do Nelson. Mas ele é uma flor, uma pessoa maravilhosa, sem perder o humor super sarcástico”.

A vontade de fazer um filme silencioso casou bem com outro desejo de Migotto: “Sempre quis rodar um filme num posto de gasolina ou borracharia de estrada, meio abandonada”. Foi assim que o roteiro começou a ser criado. Mesmo sendo mais focado no estilo documental, o diretor quis se desafiar, num filme mergulhado no silêncio. “Eu até falei brincando para o Nelson: ‘quer ver que a gente vai fazer esse filme silencioso e vai entrar em vários festivais?’. E aí Gramado nos selecionou”.

Aficionada por histórias em quadrinhos, Eliane Coster começou cedo a trabalhar com animação. Seu primeiro trabalho no cinema foi por volta de 1985. Numa mistura live action com animação, Eliane faz, em “Super Oldboy”, “uma mistura de muitas tendências”, trazendo um elenco variado que vem desde o teatro, até o cinema e a televisão. Essa combinação presente na trama acaba o tornando, segundo a diretora, um “filme complexo para um curta”.

A trama traz uma história bem-humorada com uma pitada de humor negro, sobre um idoso que trabalha como office-boy para uma firma. “Mostra como as pessoas se viram sem a instituição. Sem o poder pré-estabelecido”, explicou Eliane.

Ministério da Cultura e Secretaria de Estado da Cultura apresentam o 44º Festival de Cinema de Gramado. Patrocínio: BNDES, Stella Artois e Petrobras, e copatrocínio do Banrisul - Governo do Estado do Rio Grande do Sul, Todos pelo Rio Grande. Apoio especial: Sundance Channel e Snowland. Apoio: Caracol Chocolates, Stemac, Lojas Pompéia, More Bass, G2 Net Sul, CiaRio, O2 Produções, Canal Brasil, Revista de Cinema, RBSTV, CVC, FreeCharge e Savarauto. Apoio institucional: Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, Fundacine, ACCIRS, IECINE, APTC e SIAV, TVE e FM Cultura. Agência Oficial: BusTour. Ingressos: Imply. Direção Artística: Histórias Incríveis. Agente Cultural: AM Produções. Promoção: Prefeitura de Gramado. Financiamento: Pró-Cultura RS, Secretaria de Estado da Cultura, Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Realização: Gramadotur, Ministério da Cultura, Governo Federal.

Foto: Cleiton Thiele/Agência PressPhoto

 

Outras Notícias: