Internacionalização, negócios e muito cinema marcam 44º Festival de Cinema de Gramado

Internacionalização, negócios e muito cinema marcam 44º Festival de Cinema de Gramado

Com cerca de 2.700 ingressos vendidos, 79 filmes em exibição e mais de 360 pessoas envolvidas em sua realização, o 44º Festival de Cinema de Gramado chegou ao fim na noite do último sábado (03) consagrando os filmes “Barata Ribeiro, 716”, “Guaraní” e “Rosinha” com os Kikitos de melhor filme nas categorias de longas brasileiros, longas estrangeiros e curtas brasileiros, respectivamente. Antes da cerimônia de premiação, organização e curadoria do evento se reuniram com público e imprensa para fazer um balanço da edição, que mais uma vez foi realizada pela Gramadotur, autarquia municipal responsável pelos grandes eventos da cidade serrana. Participaram do encontro os curadores Eva Piwowarski, Marcos Santuario e Rubens Ewald Filho, o presidente da Gramadotur João Pedro Till e o diretor de eventos da autarquia Enzo Arns.

Till, que reforçou o perfil colaborativo e aberto da Gramadotur, lembrou que o mais importante do encontro era ouvir a percepção do público sobre o evento para, assim, “aperfeiçoar os acertos e tentar melhorar o que não saiu conforme o esperado”. Já Arns antecipou perspectivas e avaliações desse Festival que é administrado pela Gramadotur, mas feito a muitas mãos. Para ele, uma das grandes missões da 44ª edição foi atendida: a de reunir crítica e público em uma programação que atendia simultaneamente os dois perfis de espectadores. “O Festival de Cinema de Gramado foi criado com o objetivo de discutir cinema e divulgar a cidade. Por isso, nada mais lógico do que fazer um evento inclusivo onde é exibido o chamado cinema de arte e também onde o espectador comum tenha curiosidade de participar estando dentro do Palácio dos Festivais. A Gramadotur encerra o Festival com a sensação de ter cumprido essa missão”, avalia.

 

Cinema como negócio

Além de exibir cinema, o 44º Festival de Cinema de Gramado deu o pontapé inicial na proposta de fazer do evento um verdadeiro polo de negócios para a sétima arte, aspecto que Arns também destaca como um dos mais vitoriosos no evento apresentado este ano. “Talvez esse seja o maior legado do 44º Festival de Cinema de Gramado: instaurar a ideia de cinema como plataforma de negócio e a discussão da sétima arte em termos de comercialização. É isso o que vocês podem esperar do evento daqui a para frente: um festival muito mais internacional e pensado como negócio”, adianta Arns, referindo-se ainda aos 45 anos do evento que já estão sendo pensados pela autarquia.

 

A visão da curadoria

O curador Rubens Ewald Filho novamente celebrou a equipe que está por trás do Festival de Cinema de Gramado, ressaltando sua alegria em participar de um evento onde todos estão abertos ao diálogo. “É impressionante ver essa abertura, esse apoio que vocês [Gramadotur] dão. Não é sempre que encontramos pessoas que conseguem dialogar em trabalhos como esse” contou o curador. Ele, que esteve em Gramado desde antes da abertura oficial do evento para prestigiar o Educavídeo, projeto gramadense que trabalha o cinema como ferramenta de ensino na rede municipal de Gramado, fez um pedido ao público e à imprensa em relação à sessão que o Festival realiza com os filmes feitos pelos alunos: “Venham, prestigiem e se emocionem assim como eu. É um projeto que cresce enormemente a cada ano e está se espalhando para muito além da cidade”.

Endossando a proposta da Gramadotur de conceber um evento que congregue público e crítica, Marcos Santuario fez questão de lembrar a carreira que todos os filmes exibidos em Gramado seguem depois do evento, o que reflete o perfil democrático escolhido para as mostras e o prestígio do selo de Gramado. “Temos uma imensa felicidade em ver que o cinema exibido aqui não fica mais engavetado sem chegar ao público. Quem não pôde estar aqui, conseguirá, assim como nos outros anos, assistir aos filmes muito em breve porque grande parte deles chegará aos cinemas. Essa é uma grande conquista”, comentou.

Já a curadora argentina Eva Piwowarski  destacou a ampliação da abrangência geográfica de Gramado que, além de trazer uma mostra estrangeira com títulos de dez países, ainda exibiu, na sua mostra paralela, filmes de parcerias com a República Tcheca e o prestigiado Sundance Channel: “Demos um salto de qualidade não apenas nos filmes em exibição, mas na própria participação dos realizadores que fizeram questão de estar em Gramado, seja para competir ou apenas para prestigiar a programação. Exibimos um cinema latino inquieto que pensa coisas diferentes de formas diferentes. E todos os realizadores desse cinema atravessam conosco o tapete vermelho sabendo que estão em um lugar especial”.

A festa de 45 anos do Festival de Cinema de Gramado já tem data marcada. Em 2017, o evento serrano acontece de 18 a 26 de agosto.

Foto: Cleiton Thiele/Pressphoto 

Ministério da Cultura e Secretaria de Estado da Cultura apresentam o 44º Festival de Cinema de Gramado. Patrocínio: BNDES, Stella Artois e Petrobras, e copatrocínio do Banrisul - Governo do Estado do Rio Grande do Sul, Todos pelo Rio Grande. Apoio especial: Sundance Channel e Snowland. Apoio: Caracol Chocolates, Stemac, Lojas Pompéia, More Bass, G2 Net Sul, CiaRio, O2 Produções, Canal Brasil, Revista de Cinema, RBSTV, CVC, FreeCharge e Savarauto. Apoio institucional: Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, Fundacine, ACCIRS, IECINE, APTC e SIAV, TVE e FM Cultura. Agência Oficial: BusTour. Ingressos: Imply. Direção Artística: Histórias Incríveis. Agente Cultural: AM Produções. Promoção: Prefeitura de Gramado. Financiamento: Pró-Cultura RS, Secretaria de Estado da Cultura, Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Realização: Gramadotur, Ministério da Cultura, Governo Federal.

Outras Notícias: